top of page

O novo mundo da IA, você está pronto?

Estamos condenados, lembro-me que não faz muito tempo escrevi um artigo sobre Nicole Moudaber e naquela época terminei o artigo com isso:

"Por que trouxe este assunto para todos vocês? Não é apenas por causa da Nicole, é sobre a importância de se preparar para o futuro da IA (Inteligência Artificial). Você já pensou que a IA está começando a se misturar como um DJ básico (o conceito de mover entre dois decks com música)? Você pode pensar que isso não é um problema, mas na verdade é um grande problema. Eu diria que em cerca de 4 anos a partir de agora você terá DJs virtuais ao vivo em muitos lugares fazendo nosso trabalho, até mesmo alguém criará um DJ de IA que tocará em um festival. Isso significa que você precisa ser diferente para não ser superado. A única maneira de fazer isso é começar a produzir música e encontrar uma maneira de tocar de maneira única. Acredite em mim, isso não está tão longe de acontecer.




Talvez este possa ser um tema de artigo para mim trazer a todos vocês. Ao longo dos meus 36 anos como músico, agora vejo a IA entrando em nosso território...

Naquela época, meu artigo era sobre DJs e como eles tocam, mas eu não cobri o ângulo da produção musical e quando isso me surpreendeu, pois agora está aqui e é um fato: a IA pode criar música real e você não perceberá a diferença. Vamos primeiro lembrar quando a IA começou a produzir música...

O conceito de usar computadores para gerar ou ajudar na composição musical existe há várias décadas. No entanto, o termo "Música IA" refere-se especificamente à aplicação de técnicas de inteligência artificial na criação, composição e compreensão da música.

Uma das primeiras instâncias de IA sendo aplicada à composição musical remonta aos anos 1950 e 1960. O cientista da computação e compositor Lejaren Hiller, juntamente com o compositor Leonard Isaacson, desenvolveu o computador ILLIAC na Universidade de Illinois em Urbana-Champaign. Em 1957, eles usaram o ILLIAC para compor a "Suite Illiac", que é considerada uma das primeiras peças de música compostas por um computador.





Desde então, avanços na capacidade de computação, aprendizado de máquina e redes neurais levaram ao desenvolvimento de sistemas de Música IA mais sofisticados. Nos últimos anos, houve um aumento de interesse e pesquisa no uso de algoritmos de IA para tarefas como geração de música, imitação de estilo e até sistemas de recomendação musical. Esses desenvolvimentos levaram ao surgimento de várias plataformas, ferramentas e aplicativos de Música IA, contribuindo para a evolução da composição e produção musical.

Uau, certo! Tudo isso tem mais de 50 anos, o problema fica maior, pois a IA está relacionada à tecnologia e, como podemos ver ao nosso redor, bem, já estamos vivendo na era do computador e dando os primeiros passos na IA neural, o que significa que os computadores agora podem recriar o pensamento humano e até mesmo ultrapassá-lo, eu diria, sintonizá-lo.

Então, minha próxima pergunta seria: a música IA pode recriar os mesmos sentimentos humanos?

A capacidade da música gerada por IA de evocar a mesma profundidade de emoções humanas que composições criadas por músicos humanos é um tema de exploração e debate contínuo dentro do campo. Embora os algoritmos de IA certamente possam produzir música que soa emocionalmente ressonante para os ouvintes humanos, se eles realmente capturam a essência dos sentimentos humanos é uma questão complexa.



Os modelos de IA podem analisar vastas quantidades de dados musicais existentes para aprender padrões e estruturas associadas a diferentes estados emocionais. Eles podem então gerar música que imita esses padrões, visando transmitir emoções similares. Algumas composições geradas por IA de fato têm sido elogiadas por sua profundidade emocional e beleza.

No entanto, o impacto emocional da música muitas vezes não depende apenas das notas e melodias em si, mas também do contexto em que são criadas e executadas. Compositores humanos infundem sua música com experiências pessoais, influências culturais e interpretações individuais, adicionando camadas de complexidade e autenticidade às suas composições.

Além disso, os ouvintes humanos frequentemente extraem significado emocional da música com base em suas próprias experiências, memórias e backgrounds culturais, que podem variar amplamente de pessoa para pessoa.

Embora a música gerada por IA possa evocar emoções e ressoar com os ouvintes, se ela pode recriar a mesma variedade e profundidade de sentimentos humanos que as composições criadas por músicos humanos ainda é uma questão em aberto. À medida que a tecnologia de IA continua a avançar e nossa compreensão da cognição musical se aprofunda, podemos obter mais insights sobre os nuances da expressão emocional tanto na música humana quanto na gerada por IA.

Bastante interessante, não é mesmo? Isso significa que não haverá mais trabalho para produtores, mestres em mixagem de música e assim por diante? Bem, neste momento, eu não acho que seja o caso, já que a música é uma mistura de técnica e sentimentos, e os sentimentos ainda são algo que a IA não pode recriar 100%, mas eu diria que estão em 75% ou mais já, a diferença será notada em pequenos detalhes. Então, isso será percebido pelo vasto público? Não, não será.

Se você quiser dar uma olhada nos geradores de música IA, dê uma olhada em [site ou recurso recomendado].

https://suno.com/ and https://udioai.ai/. Experimente um pouco e você ficará surpreso.

Bem, meus amigos, estejam preparados para o próximo capítulo, pois a música IA já está aqui e em muito pouco tempo a música IA certamente alcançará o número 1 no Beatport e todos nós vamos dançar ao som dessa música, então vamos amar uma máquina ou um pedaço de software. Vamos lá :)

Já faz muito tempo que não escrevo para todos vocês, mas espero que tenham gostado deste artigo. Até mais!l free to provide feedback to me on my instagram dangellodj, thank you for your attention :)

Comentarios


bottom of page