top of page

Em entrevista exclusiva Ralf Hütter do Kraftwerk, fala sobre as suas duas paixões: Música e Ciclismo





Sinfonia sobre Duas Rodas

A entrevista originalmente foi publicada na revista alemã Musik Express (Julho 2023), abaixo uma tradução adaptada.


Duas de suas paixões se unem no álbum Tour de France. A música e o ciclismo. De onde vem seu entusiasmo pelo ciclismo?


O entusiasmo provavelmente vem da minha juventude. Em 1958, aos doze anos de idade, eu já era um estudante de intercâmbio na França e naquela época, assistia à transmissão do Tour de France em uma pequena televisão preto e branco, que me fascinava. Eu moro perto do Rio Reno Inferior, onde a bicicleta é talvez mais prevalente devido à influência da Holanda do que em outras regiões da Alemanha. Durante minha juventude, a bicicleta sempre esteve presente; nós a usávamos para ir à escola ou patinar no gelo. Em algum momento, no final dos anos 70, isso se tornou muito unilateral para mim e para Florian (Schneider, membro e fundador do Kraftwerk 1947 – 2020) depois de quase uma década de trabalho criativo confinado ao nosso estúdio Kling Klang. Tudo acontecia apenas em nossas mentes.



Foi então que ocorreu a ideia de que também deveríamos prestar atenção à nossa existência física e nos aventurar de volta ao mundo. Então, começamos a pedalar - fizemos isso como uma atividade saudável, não como um esporte competitivo. Junto com o Florian e alguns amigos, organizei passeios de bicicleta. Tudo começou de forma bastante espontânea no verão de 1979, e a partir de então, andávamos de bicicleta de estrada todos os fins de semana. E como sempre colocamos uma trilha sonora em nossas vidas, a ideia para a música "Tour De France" surgiu para mim. Eu escrevi a letra, especificamente em francês, em colaboração com meu amigo Maxime Schmitt. A música foi lançada para o Tour de France em 1983.


Você queria gravar um álbum inteiro sobre esse tema na época. Por que não aconteceu?


Infelizmente, não se concretizou. Naquela época, tivemos várias ideias, que foram inicialmente realizadas no álbum "Techno Pop". No entanto, para o Kraftwerk, tudo está interconectado: música, corpo e alma. O ciclismo envolve dinâmica e movimento, que também são elementos cruciais na música do Kraftwerk.


Em 1985, o Florian e eu trabalhamos no conceito do álbum "Tour de France", mas não conseguimos finalizá-lo naquela época. Eventualmente, em 2003, conseguimos realizar esse álbum com o Fritz Hilpert, que também é um ciclista entusiasta, e lançá-lo para coincidir com o 100º aniversário do Tour de France. Tornou-se um álbum conceitual onde todos os aspectos, incluindo dinâmica esportiva, ciência e saúde, se uniram tanto na música quanto nas letras.


Concordo com o que você disse sobre a natureza holística da música, corpo e mente. O álbum é a personificação perfeita do tema geral do Kraftwerk de "Mensch-Maschine" (homem-máquina), onde o humano é o motor da bicicleta. A máquina não pode funcionar sem o humano. A bicicleta e o ciclista são a "Mensch-Maschine" original.


Obrigado pelo elogio, e eu não poderia ter dito melhor. Esse espírito é compreendido em todo o mundo. Tocamos o álbum "Tour de France" em concertos por todo o globo - no México, na Islândia, em Moscou, no Japão, na América e, é claro, em Paris. Essa dinâmica entre o humano e a máquina trabalhando juntos é inseparável e pertence um ao outro.


O Tour de France é a corrida de ciclismo de estrada mais importante do mundo. O que o torna tão especial em comparação com o Giro d'Italia ou outras corridas importantes?


O Tour de France foi a primeira corrida de ciclismo de estrada do tipo em 1903, enquanto o Giro d'Italia foi estabelecido alguns anos depois e pode ser visto como uma cópia do Tour. No Tour de France, o esporte chega ao público; as pessoas se reúnem ao longo da rota em belas paisagens para celebrar as conquistas dos atletas.


O single "Tour De France" é um exemplo precoce de sampling. Você usou o som da respiração e os ruídos que uma bicicleta faz nela.


Naquela época, o Florian tinha comprado seu primeiro sampler, e nós mesmos fizemos os samplings no estúdio Kling Klang. Eu tomei respirações profundas e pesadas, e um amigo nosso operou a bomba da bicicleta. Também gravamos vários sons do mecanismo da bicicleta e outros ruídos relacionados ao ciclismo.


Como alguém tem uma ideia dessas, que, dez anos depois, todo mundo começa a imitar?


Nós já fazíamos alguns samplings em certa medida com nossos modestos meios, mas era feito em fita, é claro, e sem um sampler. Para "Autobahn", gravamos os sons do motor dos carros passando com um sintetizador. Em "Trans Europa Express", imitei o som de uma locomotiva a vapor no sintetizador e programei o ritmo usando um sequenciador Synthanorma personalizado projetado especialmente para mim pela empresa Matten & Wiechers.


Criei um humor hipnótico sem fim com a melodia. Em "Computerwelt", por exemplo, também fizemos samplings de vozes de um pequeno computador de tradução. Na faixa "Taschenrechner", você pode ouvir os sons eletrônicos de uma calculadora de bolso, enquanto eu tocava a melodia em um teclado mini infantil. E em "Radioaktivität", eu modulei o filtro do sintetizador com um oscilador para criar o ritmo staccato.


Naquela época, fizemos tudo isso sem samplers; eles nem existiam ainda. Só usamos um sampler digital em 1983 para "Tour De France". Durante esse período, começamos a transição do estúdio das gravações analógicas para a tecnologia digital.




O anúncio do álbum "Tour de France" em 2003 causou um grande alvoroço, uma vez que o último álbum do Kraftwerk com novas músicas, "Techno Pop", havia sido lançado há significativos 17 anos antes.


Nós estávamos constantemente trabalhando no estúdio. Alguém poderia pensar que tínhamos parado depois do "Techno Pop". No entanto, nossa ideia era transferir tudo o que havíamos feito analogicamente para o reino digital e, em seguida, fazer apresentações ao vivo usando essa nova tecnologia. Esse processo levou tempo; não podia ser realizado em apenas alguns fins de semana. Anteriormente, durante os anos de turnê até 1981, fazíamos shows em que os bateristas tocavam junto com faixas de fita analógica. Às vezes, os instrumentos nem estavam conectados; era mais como uma mímica. Quando voltamos a fazer turnês em 1991 com tecnologia digital, começamos a tocar genuinamente usando nossos programas de computador e geradores de som digitais.


Você sentiu alguma pressão antes do lançamento do álbum?


Não, não houve pressão. Era o nosso trabalho habitual, e notamos que estava sendo compreendido e apreciado. Para mim, a força do álbum reside no fato de que ele carrega as típicas virtudes do Kraftwerk para o ano de 2003.


Se tivesse soado "moderno" naquela época, agora pareceria desatualizado. No entanto, é atemporal. Você vê da mesma forma?


É possível. A sorte também desempenha um papel nisso. Sempre estivemos em busca de um som original, o som Kling-Klang. Às vezes, você o encontra rapidamente, como nos anos 1970. No meio de 1976, o álbum "Trans Europa Express" já estava pronto. Então veio a notícia da França de que "Radio-Aktivität" tinha alcançado o primeiro lugar nas paradas. Nossa gravadora, EMI, pediu para adiarmos o lançamento do novo álbum: "Por favor, espere até depois do Natal". É uma atitude típica de consumidor, como algo que você ouviria em um comercial de televisão. No mundo da arte, é um absurdo porque você cria com uma motivação completamente diferente. Um artista quer que seu trabalho seja lançado.


Como resultado, compusemos e gravamos algumas partes novamente, e o álbum foi eventualmente lançado na primavera de 1977. A situação com o Kraftwerk foi diferente em alguns momentos. Eu não havia mencionado isso antes. Sempre resistimos ao consumismo. Quando um novo álbum está pronto, está pronto. Trabalhamos de maneira pontual e eficiente. Não temos composições finalizadas guardadas nos arquivos, talvez apenas algumas mixagens alternativas de músicas individuais que podem soar um pouco diferentes. Também não temos álbuns inéditos jogados fora que poderíamos agora tirar e lançar como um box set.


No ano seguinte ao lançamento do álbum "Tour de France", o Kraftwerk embarcou em uma grande turnê mundial. Nos anos anteriores a isso, houve turnês menores e apresentações individuais. O álbum acabou fornecendo o ímpeto para retomar as turnês regulares, que vocês têm perseguido extensivamente até hoje?


Com certeza. Não somos apenas uma banda de estúdio, o que muitas vezes é esquecido. Nosso objetivo sempre foi fazer música eletrônica ao vivo. No entanto, por razões técnicas, às vezes isso não era possível antes, e não conseguíamos fazê-lo. Não era por falta de vontade; simplesmente não podíamos fazer isso. Os dispositivos analógicos eventualmente pararam de funcionar e estavam constantemente desafinados.


Em 1976, certa vez fizemos um concerto na França, e os instrumentos chegaram atrasados ao local, então tivemos que montá-los nós mesmos, com a ajuda do público. Na pressa, conectei acidentalmente meu Orchestron americano a uma tomada de energia de 220 volts em vez de 110 volts. Então, durante o concerto, nuvens de fumaça apareceram, e levou cerca de dez minutos para que esse efeito acontecesse. O público ficou entusiasmado com isso, e aplaudiu, mas o dispositivo foi danificado.


A transição dos instrumentos de hardware também tornou as turnês muito mais fáceis. A música fala por si mesma. A forma como ela é produzida, no final das contas, não importa. Mas realmente foi uma nova forma de prática musical que desenvolvemos.


"Tour de France" foi o primeiro álbum número um do Kraftwerk na Alemanha. Isso é notável porque os clássicos dos anos 70 e 80 não alcançaram esse feito. Você ficou surpreso com isso na época?


Sim, isso me surpreendeu. Não abordamos nosso trabalho com a intenção de fazer um álbum número um. Também não podíamos saber se outra grande banda lançaria seu álbum na mesma semana. Ficamos completamente surpresos; pode-se dizer que foi a camisa amarela para nós. "Autobahn," "Trans Europa Express," "Tour De France" - com o Kraftwerk, tudo se trata de mobilidade.


Os inúmeros concertos que vocês têm dado nos últimos anos são uma expressão do seu próprio desejo por mobilidade?


É como remédio; isso me mantém vivo. Assim como quando você constrói uma conexão com a paisagem, a natureza e a cultura específica de um país enquanto pedala de bicicleta, os concertos também estabelecem uma conexão com as pessoas. A música é um remédio. Pegue meu velho colega Iggy Pop, por exemplo; ele tem um ano a menos do que eu. Ninguém pensaria que ele ainda estaria tão em forma nos dias de hoje. Eu acredito que a música também é uma energia curativa para sua vida.


O tema da Inteligência Artificial é atualmente um assunto muito discutido. Como alguém que tem grande interesse em novas tecnologias, você já se envolveu com ela?


Para mim, AI é a abreviação de "Künstlerische Intelligenz" (Inteligência Artística). O que é chamado de Inteligência Artificial é apenas trabalho computacional, que existe há muito há muito tempo.


O que você acha da ideia de que qualquer pessoa possa instruir a Inteligência Artificial para compor uma música que soe como Kraftwerk?


Até agora, não ouvi nenhuma composição que me impressionasse. Sempre ouço apenas imitações baratas. Existem inúmeras delas, não apenas feitas por Inteligência Artificial, mas também por humanos. No entanto, quando David Byrne canta "The Model" junto com o Balanescu Quartet, isso se torna outra interpretação artística, uma contribuição criativa. Tudo o mais parece ser apenas cópia e cola. A Inteligência Artificial não cria nada de novo; ela simplesmente segue os valores de entrada. Isso é entediante e essencialmente apenas burocracia. Em contraste, nossa música tem uma força espontânea, improvisacional e criativa. A inteligência artística é urgentemente necessária no mundo atual.


Mais informações em : Kraftwerk




Σχόλια


bottom of page